Você sabe quem é o seu cliente?

Você sabe quem é o seu público-alvo? Você conhece seu cliente? Mas o conhece realmente? Sabe quais suas intenções, o propósito com seus produtos e serviços? Conhece suas aplicações e o ajuda inteiramente em seu plano de negócios? Se as respostas para as cinco perguntas acima (incluindo o título) foi respondida com um certeiro sim, parabéns! Você está no caminho certo e pode, por meio dele , trilhar a melhor estratégia de vendas e atendimento. Pode até se vangloriar de saber atendê-lo corretamente.

No entanto, se alguma dúvida ficou no ar, por menor que seja, é preciso rever alguns conceitos. Enquanto muitas empresas e fornecedores de serviços acreditam que apenas responder positivamente a alguma destas questões é o suficiente, o segredo está em ouvir sempre o que o seu público tem a dizer.

Aliás, não somente ouvir, mas esmiuçar cada detalhe. É ouvir com atenção redobrada. Além disso, é necessário preocupar-se com o atendimento que sua empresa fornece a este e a todos os outros.

Dinheiro não é tudo

Pensar em pagamentos e investimentos também não completa o ciclo. Em contrapartida, inclusive, faz com que as rodadas se desgastem em um círculo vicioso. Claro que não se vive de brisa. Mas pensar se a conta fecha todo mês, sem se preocupar se está cumprindo com o seu papel de fornecedor, torna sua empresa em uma companhia comum.

Cair no estereótipo de “melhorzinho” não ajuda. Você não pode ser o melhorzinho dos fornecedores. Tem que ser o insubstituível, o inseparável, o cúmplice; aquele que entende o que ele diz somente com o olhar.

É preciso agir com paixão, com fidelidade. Sem esses dois pontos, o relacionamento não vai em frente. Fadado ao fracasso, o namoro acaba com as partes machucadas. Além do dinheiro, é preciso saber lidar com egos, sonhos, emoções, vontades, desejos e até frustrações. Tudo porque, em um relacionamento saudável, as partes se entendem e se apoiam.

Evitar o desgaste é fundamental

Em uma relação desgastada, além de perder o investimento de seu cliente, você perde o seu melhor: o seu produto que poderia ser usado para ampliar um negócio, gerar lucros ou somente e simplesmente não deixar que este cliente tenha dores de cabeça e preocupações desnecessárias.

É claro, uma discussão de relação faz parte até para que você possa melhorar o seu atendimento. Entretanto, deixar que esta relação seja baseada em discussões intermináveis, que não leva ninguém a lugar algum, não é saudável e pode até tirar parte de sua saúde.

Saúde física e mental? Sim! Afinal, você está lidando com pessoas. E é exatamente isso que muitos se esquecem. Portanto, quanto mais fidelidade e satisfação estiverem atrelados ao conhecimento que você tem de seu cliente, mais tudo corre perfeitamente bem. No entanto, este desgaste pode estar presente desde o começo, sem que ninguém tenha percebido. E assim o problema só aumenta, podendo até fugir do controle.

Conhecer o público-alvo é fundamental

Querer atender a todos do mesmo jeito também não funciona. Expectativas e anseios diferentes devem ter o tratamento adequado para cada caso. Primeiramente, não adianta abraçar ao mundo. É preciso entender quais são suas capacidades sejam elas ligadas ao vender, ao prestar um serviço, ao atender ou mesmo nas três esferas. Assim, vender, implementar ou dar suporte a algo que não estava planejado é frustrante.

A solução para evitar este problema é conhecer seu público-alvo. Para quem você está vendendo e/ou fornecendo suas soluções e serviços? É uma nova pergunta que deve ser respondida antes mesmo da prospecção.

Para seguir a estratégia de negócio de forma clara também é preciso saber alguns pontos:

  1. Saber qual o tamanho da empresa que precisa de suas soluções;
  2. Características pessoais de quem negociará com sua empresa: se é homem, mulher, opiniões pessoais, o que pretende em sua carreira, etc…
  3. Como a empresa que precisa de seus serviços e produtos trata seus próprios clientes;
  4. Como é a estrutura organizacional dentro da companhia de seu cliente;
  5. Para quem você trabalha e, não menos importante,
  6. Acertar responsabilidades e afazeres de todas as partes envolvidas.

Somente conhecendo estes requisitos, com um plano de negócios bem desenhado é que as engrenagens rodam automaticamente a favor de um ótimo relacionamento. E lembre-se: relacionamento saudável atrai relacionamento saudável, com pessoas igualmente saudáveis, que se conhecem e se respeitam.

Gostou das nossas dicas? Deixe seu comentário.

Fonte: DNA do Empreendedor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *